Monday, June 15, 2015

O Tesouro do Pirata (L.F.Riesemberg)




Ele prendeu o barco às rochas e entrou na gruta. Segurava um lampião para iluminar o caminho, enquanto o mapa indicava por quais cavidades deveria passar.

Foi se espremendo pelas paredes úmidas, até passar por uma apertada abertura que levava ao coração da caverna.

O lugar era imenso, com um lago subterrâneo de água azul e límpida. Mas ele não estava ali pela paisagem.

Seguiu como indicado no mapa, equilibrando-se sobre a prótese de madeira. A luz fraca o fazia forçar o olho bom, mas era o que bastava.

Quando finalmente avistou a arca, havia dois esqueletos sobre ela. Ele os afastou com o gancho, e tirou uma chave do bolso.

A mão tremia quando a fechadura abriu. “Estará mesmo aqui?”, pensou.

Um dos crânios no chão dava a impressão de estar rindo.

Quando ergueu a tampa do baú, uma luz dourada refletiu nas suas barbas brancas.

-Sim! Está tudo aqui! – gritou, gargalhando.

Havia passado décadas obcecado por aquele tesouro, e não tinha como esquecer tudo o que passou para chegar até ali.

Passou a mão no rosto e sentiu a cicatriz.

Lembrou o tiro que gangrenou e o fez amputar a perna.

O tubarão que arrancou sua mão com uma dentada.

O olho furado pelos estilhaços de uma explosão...

Enfim, para esquecer tudo isso, atirou-se às moedas de ouro. Finalmente havia conseguido! Merecia aquele prêmio.

Rindo descontroladamente, demorou a notar que as caveiras haviam se levantado e o espiavam de modo zombeteiro.

-O que? – gritou, querendo fugir, mas sem largar do baú.

Elas riam da cobiça dele.

-Não reconhece os amigos? – perguntou um dos esqueletos.

Ele finalmente compreendeu que eram os dois companheiros que ele havia traído para não ter que dividir o tesouro.

Ele acorda assustado, e se vê deitado em uma cama no convés do navio. Olha rapidamente para as pernas: as duas estão lá. As mãos também. Levanta-se para olhar no espelho, e percebe que ainda é jovem e belo.

-Teve um pesadelo, capitão? – lhe pergunta um encarregado.

O mar tranquilo e azul parecia estar ainda mais bonito naquela manhã ensolarada.

- Acho que foi um aviso, marujo.

A grande embarcação mudou de rota naquele dia, assim como a vida de todos aqueles homens.

2 comments:

  1. Riesemberg, ponha seu primeiro nome, ou um nome artístico, que facilita para usarmos o vocativo. Olha, não imaginava que fosse lá grande coisa. Então me detive lendo meio preguiçosamente e acabei sendo fisgado pela curiosidade. Que surpresa agradável. Belo conto. Parabéns! Continue! Você tem talento.

    Ass.:

    Fernando José de Lima

    ReplyDelete
  2. Riesemberg, ponha seu primeiro nome, ou um nome artístico, que facilita para usarmos o vocativo. Olha, não imaginava que fosse lá grande coisa. Então me detive lendo meio preguiçosamente e acabei sendo fisgado pela curiosidade. Que surpresa agradável. Belo conto. Parabéns! Continue! Você tem talento.

    Ass.:

    Fernando José de Lima

    ReplyDelete