Tuesday, June 09, 2015

O Álbum de Figurinhas (L.F.Riesemberg)




A capa do álbum prometia uma viagem no tempo para quem o completasse. Rômulo leu aquilo e ficou louco na banca de revistas. “Puxa! Eu sempre quis viajar no tempo!”, pensou. E usou a mesada para comprar o livro e vinte envelopes de figurinhas.
Quando abriu o primeiro, seus olhos brilharam: um astronauta, um pirata, um dinossauro, um mapa do tesouro e uma tribo de homens das cavernas. Cada envelope continha cinco figuras de coisas legais de todas as épocas e partes do mundo. O menino rapidamente abriu tudo até formar duas pilhas no tapete do quarto: uma com os pacotinhos rasgados, e outra com as figuras, também chamadas de cromos. Eles foram colados um a um e começaram a dar cores ao livro em branco.
Rômulo começou a usar todo o dinheiro que ganhava para comprar figurinhas. O álbum ia ficando mais grosso e pesado a cada compra.
Quando descobriu colegas da escola que também faziam a coleção, deu saltos de alegria: poderia trocar com eles as repetidas. Fazia isso na hora do recreio, e quando já havia feito todas as negociações possíveis, começou a jogar bafo.
Completar o álbum era uma tarefa nada fácil. Exigia investimento, disciplina e dedicação. E que tristeza era não conseguir encontrar aquelas figuras difíceis! Por outro lado, o menino exibia com orgulho a rara número 26, que só ele tinha conseguido achar: um velho índio americano sobre um cavalo negro.
Enfim, chegou o dia em que ele foi à banca e comprou dez envelopes, com as moedas que economizou ficando sem lanchar alguns dias. Eram cinquenta novos cromos e, infelizmente, todos repetidos.
Com essas decepções, o objetivo de completar o álbum foi sendo aos poucos esquecido, e em certo dia ele foi parar dentro da gaveta, debaixo de outras revistas e papéis. Em uma mudança, anos depois, Rômulo não se importou em se desfazer do livro incompleto, colocando-o no lixo junto com outras coisas velhas. Afinal, já tinha deixado de acreditar em viagens no tempo.
Rômulo tornou-se um homem e nunca mais colecionou figurinhas. Mal lembrava que um dia havia se dedicado tanto a isso.
Foi por acaso que, muitos anos depois, ele viu o anúncio de venda daquele velho álbum, idêntico ao seu, com a coleção completa. Como já estava em uma idade dada a sentimentos nostálgicos sobre a infância, resolveu comprar - com a desculpa de mostrar ao filho.
Quando o pacote chegou pelo correio, ele ficou um pouco envergonhado. Valia a pena gastar dinheiro com aquilo? Contudo, ao abrir a primeira página, foi surpreendido por um turbilhão de memórias que já o haviam abandonado: o cheiro característico daquele papel, as instruções sobre como colar as figuras, o texto com as boas vindas da editora ao “jovem colecionador”. A cada imagem ali colada, uma lembrança o assaltava. “Olha só o astronauta!”, exclamou. “Esta foi a minha primeira figurinha!”.
Em todas as páginas, já um tanto amarelas pelo tempo, vinha uma surpresa. “Não acredito! A número 100!”, gritou quando viu, pela primeira vez na vida, o cromo do cavaleiro medieval.    
Rômulo ficou horas folheando aquele verdadeiro baú de lembranças, revivendo as inocentes idas à revistaria, as trocas com os amigos e a alegria de conquistar uma figura nova.
Ao se dar por satisfeito, fechou o livro com muito cuidado e voltou a admirar a capa. Lá estavam aquelas palavras que o haviam convencido a começar a coleção: “Complete o álbum e faça uma viagem no tempo!”
-Não era mentira... – sussurrou, com os olhos úmidos.
Era muito bom poder voltar àquele tempo.       

No comments:

Post a Comment