Sunday, June 07, 2015

Fogos de Artifício (L.F.Riesemberg)


Na festa de réveillon, Ernest venceu a timidez e finalmente se apresentou a Mary Ann. Conversaram animadamente, riram e por fim beijaram-se sob os fogos de artifício. Para ele, aqueles minutos sempre ficariam marcados por toda a sua magia. “O Céu deve ser assim”, pensou.

Eles ficaram juntos, casaram-se. Viveram um sonho a dois, até que a rotina acabou por trazer-lhes à realidade. Porém, mesmo diante de brigas, Ernest sempre voltava o pensamento para aquela doce menina que beijara sob a chuva de fogos no céu.

Um dia, guardando o casaco da amada, teve uma surpresa. Havia um pequeno bilhete no bolso, com uma letra que não era a dele. “Deve ser um engano”, pensou. Mas aos poucos foi ligando vários pontos, e concluiu algo que jamais esperaria dela.

Confrontá-la foi difícil. E assim que se viu acusada, Mary Ann desabou e fez um apelo: “Perdoe-me!”. Estava envergonhada.

Ernest passou dias calado, até que a lembrança do primeiro beijo naquela virada de ano o fez decidir: “Te perdoo, e prometo nunca mais falar sobre isso”. Mary Ann chorou e o abraçou muito forte.

A vida continuou como a de um casal unido e o episódio ficou no passado. As crianças vieram, assim como as primeiras rugas e os cabelos brancos. Ernest, cumprindo a promessa, nunca tocaria naquele assunto – nem mesmo quando, entristecido, achou evidências de que havia sido enganado mais uma vez.

Um dia Mary Ann ficou muito doente. No leito do hospital, afirmava que aquilo era seu castigo. Ernest, devoto de sua promessa, desconversou, preferindo falar apenas sobre a noite em que se conheceram: a troca de olhares, as frases desajeitadas, os risos, o primeiro beijo.

Ela morreu sentindo somente as dores do corpo, porque os arrependimentos foram anestesiados por aquelas felizes recordações.

Viúvo, Ernest viveu dedicado à memória da amada. Aos amigos, falava dela como de uma santa. Não cultuava a mulher cheia de defeitos em que se transformou, e sim aquela mocinha ingênua do dia em que se conheceram.

Em todo fim de ano, na noite de réveillon, Ernest pedia para ficar sozinho na hora dos fogos. Sentado na sala, olhos fechados, revivia aquele momento inesquecível da juventude. Enquanto recordava, sentia os lábios tocando os dela, como na primeira vez. O mundo parava naquele minuto, e então Mary estava com ele novamente, jovem, inocente, pura, feliz. Enquanto durassem os fogos no céu, durava este sonho no sofá. E quando o silêncio voltava a cair sobre a cidade, ele abria os olhos e voltava à vida, agora com o som dos netos correndo pela casa e o champanhe estourando na cozinha.

Ernest sempre torcia para que os fogos de artifício durassem bastante. Era tão bom poder sempre regressar àquela noite especial, e prolongar indefinidamente aquele prazer indescritível.

Desta vez – “que maravilha!” – o foguetório estava durando muito mais que o habitual.

“Bem que poderia continuar eternamente”, pensou.

E o som incessante dos fogos misturou-se ao agradável riso de uma mocinha.

-Já pode abrir os olhos, meu amor.

Ela estava ali, para todo o sempre.

No comments:

Post a Comment