quinta-feira, julho 09, 2020

O Refúgio (L.F.Riesemberg)



Finalmente havia chegado a sexta-feira, dia ir até a biblioteca trocar livros. Gabriel depositou os exemplares em uma sacola, e olhou no espelho. Usava um boné preto, que ajudava como disfarce. O caminho era longo, e ele não queria o risco de ser reconhecido pelos garotos da escola.

Tinha desenhado um mapa no caderno, com o trajeto mais rápido. Isso incluía atravessar um terreno baldio e pular um muro, o que ainda era menos arriscado do que encontrar algum dos membros da gangue pela rua.

Ele avisou a mãe onde ia e deu início à aventura, sempre olhando em todas as direções para não ter qualquer surpresa. Protegeria a sacola com a própria vida, se fosse necessário. Corria se não via ninguém. Disfarçava e andava normalmente quando encontrava outro pedestre.

Aquele caminho tinha vários marcos, que Gabriel classificava como missões cumpridas assim que os atingia: o primeiro era o parque infantil com seus brinquedos enferrujados e quase sempre deserto. Alguns quarteirões à frente tinha o velho convento, que naquele tempo funcionava como colégio. O ponto seguinte era o monumento com o busto de um soldado que morreu na guerra. Depois havia a pequena ponte sobre o córrego, e depois o muro, no fim de uma rua sem saída, que precisava ser pulado. No total havia sete marcos.

Atrás do muro ficava o terreno baldio, que Gabriel imaginava ser uma floresta assombrada. A cada um desses marcos vencidos, o menino comemorava. Mas antes que passasse pela ponte, seu coração quase parou: notou que Jackson e sua turma estavam na rua, mal-encarados como sempre. Era tarde demais para voltar sem ser visto, e ainda faltava um longo trecho até seu destino.

Gabriel desviou os olhos para baixo e continuou seu caminho, torcendo para não ser visto. Seus pés mal tocavam o chão, tamanha a velocidade com que andava. Tudo o que ele queria naquela hora era ficar invisível, ou se transformar em alguém diferente para não ser reconhecido.

“Ei, olha só quem tá ali”. Eram exatamente as palavras que ele não queria ouvir. Gabriel olhou com o canto dos olhos, rezando para que a gangue não estivesse se referindo a ele, mas viu que os garotos olhavam e vinham rapidamente em sua direção. Sem tempo para pensar, resolveu correr com todas as suas forças. Passou voando pelos marcos de número quatro, cinco e seis, sem olhar para trás. Apenas imaginava os cinco meninos malvados correndo atrás dele, prontos para machucá-lo e roubar suas coisas.

Ao pular o muro, arranhou-se como nunca, caindo desajeitadamente do outro lado. Levantou-se e juntou a sacola como pôde, sem verificar o estado dos livros. Atravessou correndo a floresta assombrada, e ao sair dela pôde finalmente enxergar a biblioteca. Estaria seguro lá dentro.

“Veio correndo hoje, Gabriel?”, perguntou a simpática bibliotecária, que parecia cada vez mais bonita. Ele queria responder, mas antes olhou pela janela, para checar se não havia sido seguido até lá. Parecia estar seguro. “Ah, sim, é que eu queria chegar logo”, respondeu, sem pensar em uma ideia melhor.

Retirou o conteúdo da sacola, pedindo aos deuses para que estivessem em perfeito estado.  Felizmente, estavam. “Nós recebemos livros novos esta semana. Acho que você vai gostar”, ela falou, com sua voz suave. Gabriel havia chegado, de fato, ao reino mais feliz em que poderia desejar estar. Aquele era seu refúgio contra a realidade. Um território onde as regras do tempo e do espaço eram suspensas, e em que ele poderia fazer o que a sua imaginação permitisse.

3 comentários:

  1. Revivi um momento da minha infância, e olha que lá se vão sessenta e muitos anos, a memória viaja quando provocada. Não sei se acontecido ou se sonhado, a emoção é igual. B
    elo conto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! Este é um dos melhores elogios que um autor poderia receber. Note que este texto é na verdade um capítulo do romance que estou escrevendo, chamado Kaleidoscópio, e a opinião dos leitores é muito importante para definir os rumos da obra. Ao final espero poder dizer que os leitores foram coautores do livro, pelas ideias e críticas com que contribuíram durante o processo da escrita. Mais uma vez, obrigado.

      Excluir
  2. L. F. Riesemberg, super parabéns por mais este belo conto como, aliás, já é uma grande característica sua. Sds e abs... (Luiz Antonio)

    ResponderExcluir