Friday, June 19, 2015

A Garota do Metrô (L.F.Riesemberg)




Os dois sentaram-se lado a lado no assento duplo. Compenetrados que estavam em seus livros, quase não notaram que coincidiam de ler o mesmo romance.

Foi ela quem notou e quebrou o silêncio:

-Desculpe, mas eu tenho que perguntar: está gostando do livro?

Dave olhou surpreso. Era uma moça linda falando com ele.

-O que? Nossa! Você está lendo o mesmo livro que eu? – perguntou.

-Devem ser uma coincidência muito rara... – disse ela. – E então, está gostando?

-Oh, muito. É uma história bem intensa, não? E você?

-É, me identifiquei com a heroína. Não vejo a hora de saber o que vai acontecer com ela.

Ele sorriu, tímido.

-Pois quando eu gosto muito de um livro, fico triste de chegar ao final. Ainda estou na metade, e já sinto saudades antecipadas.

-Você pode reler depois – disse ela.

-Não é a mesma coisa. Só a primeira vez é mágica.

-Sim, mas sempre haverá outros livros, não?

-Ah, certamente.

Dave não confessou a ela, mas gostava daquele sentimento que mencionou, de sentir saudades de algo que ainda não tinha vivido. Para ele, isso era algo sublime.

Com o canto dos olhos, ele ficou olhando para ela. Era linda, simpática e tinha bom gosto. Não podia ser mero acaso terem se conhecido daquele jeito. Mas logo ele chegaria à plataforma desejada, e ela já tinha voltado a se afundar no livro. Ele precisava continuar a conversa, ou a perderia para sempre.

O metrô avançava veloz, e cada segundo era um a menos para aproveitar aquela chance. Dave estava inquieto, e a garota reparou.

-Quer saber? – disse ela. –Por que não trocamos os livros? São iguais, não?

-O que? Ah, sim, claro! Que legal! – respondeu ele, um tanto confuso. Ele não sabia o que falar, mas obviamente estava feliz em fazer aquilo.

Ela tirou um lápis da bolsa.

-Vou anotar meu nome e telefone aqui, para podermos destrocar mais tarde, tudo bem?

Só agora ele entendia. Como pôde não ter esta ideia?

Ela escreveu na última página, e trocaram os livros.

-Vou descer aqui – disse ela, assim que o vagão parou. -Me liga.

Ao sair, ela deu um último e adorável sorriso. Ele continuou a viagem, com o livro dela contra o peito. Aquilo tinha sido uma das coisas mais fantásticas que já haviam lhe acontecido. “Como pode algo ser tão simples, e tão mágico?”, pensou.

Mais adiante ele também saltou, ainda nas nuvens com o que acabara de ocorrer. Sua atenção só foi quebrada por um casal que passou discutindo pelo corredor e esbarrou em seu ombro. Alguns passos à frente ele viu uma mulher chorando em um dos bancos da estação, enquanto o namorado mantinha a cara fechada ao seu lado.

Ele andou mais um pouco, até que viu na parede aquela pequena caixa amarela, sua velha conhecida. “Mini-biblioteca do metrô”, dizia. Ele olhou para o livro em suas mãos e pensou nos capítulos que ainda faltava ler.

“Pegue um livro, e quando terminar a leitura devolva-o em qualquer estação”, instruía a biblioteca. Mas os livros emprestados nunca mais voltavam.

Ele, que preferia a imaginação à realidade, hesitou um pouco, depois concluiu:

“Desculpe, mas nenhum amor é tão inesquecível quanto os que só vivem em nossos sonhos”. E, docemente, depositou o livro na pequena caixa amarela, para que outra pessoa o levasse. Nunca saberia que rumos aquela história poderia ter tomado. Mas em seus pensamentos, até o fim de sua vida, os dois teriam sido felizes para sempre.

2 comments:

  1. Muito bom. Entre a lenda e o fato, imprima a lenda. (Do filme "O homem que matou o facínora").

    ReplyDelete
  2. Eu não achei o final legítimo :/

    Ele desistiu de conhecer a fundo uma garota linda e inteligente, amante de livros, por que viu uma casal discutindo passando por ele ? '-'

    Pra mim ele usou a fantasia pra justificar sua insegurança e perdeu a chance de viver uma história, parte contada por ele. -.-

    Acho que teria ficado melhor se tivesse explorado a devolução do livro alugado como um peso, com ele se explicando pra alguma autoridade do trem que aquele livro não era do trem e um final fantástico baseado numa resposta imprevisível da autoriade.

    ReplyDelete